O que é IPv6?

IPv6 é a versão 6 do protocolo IP (Internet Protocol). O IPv6 é o sucessor do IPv4, que é o protocolo atual em uso na Internet. O IPv5 jamais foi implantado e não existe na infraestrutura da Internet. A característica principal do IPv6 é um amplo espaço de endereçamento, quase inesgotável, para resolver o problema da falta de endereços IPv4 para todos os usuários da Internet. Além disso, o IPv6 possui outras características técnicas que resolvem algumas deficiências encontradas no IPv4.

Diferenças entre IPv4 e IPv6

Todos os dispositivos conectados a Internet precisam de um endereço chamado endereço IP para comunicar entre si.

O conjunto de endereços utilizado atualmente é chamado IPv4 e suporta aproximadamente 4 bilhões de endereços e, com o esgotamento iminente desses endereços, o crescimento da Internet ficará limitado.

Um novo protocolo, o IPv6, foi criado para prover um novo espaço de endereços IP praticamente ilimitado: 340 trilhões de trilhões de endereços IPv6.

O que é IPv6, em português claro

O que é IPv6, em português claro, por Antônio Moreiras, do nic.br

Necessidade de transição

A transição completa para o IPv6 irá ocorrer de forma gradual e com o funcionamento em paralelo ao IPv4 . Os sites e serviços da Internet irão permanecer da mesma forma, independentemente se o acesso é via IPv4 ou IPv6.

Dispositivos, computadores, servidores e redes existentes conectadas a Internet irão continuar funcionando normalmente.

Com o esgotamento dos endereços IPv4, as organizações que compõem a Internet, precisam efetuar a migração de suas redes para o IPv6.

Quanto tempo levará a transição?

Não existe uma data definida para a transição completa para o IPv6. A transição será gradual ao longo dos anos. Muitos dispositivos terão endereços IPv4 e IPv6 e poderão usar ambos durante a transição.
É importante não confundir a implantação do IPv6 com a sua transição. Na UEPG a implantação está sendo feita em etapas, sendo que primeira fase da implantação do IPv6 foi concluída em Dezembro de 2014 com 70% da rede com suporte ao novo protocolo e a segunda fase foi concluída em Novembro de 2015 com 85% da rede em IPv6. A terceira fase não possui prazo para conclusão, pois envolve substituição de equipamentos que não possuem suporte ao protocolo IPv6 de forma a possibilitar que todos os elementos da rede possuam suporte ao novo protocolo.

A expectativa é que novas redes e novos dispositivos no futuro, com a escassez atual dos endereços IPv4, terão apenas suporte ao IPv6. Assim, o acesso em IPv4 se tornará cada vez menos frequente e portanto, obsoleto.

O meu dispositivo possui suporte a IPv6?

A transição não irá afetar o acesso aos conteúdos em IPv4. Porem, assim que uma maior quantidade de conteúdo da Internet for disponibilizado em IPV6 será necessário garantir que seu acesso possua suporte ao IPv6.

A rede da UEPG está preparada para fornecer endereços IPv6 aos seus usuários. Se o seu dispositivo possui suporte a IPv6, você poderá acessar a Internet com o novo protocolo sem problemas e sem a necessidade de nenhuma configuração adicional.

Lista de sistemas operacionais com suporte a IPv6:

Sistema Operacional Versão Suporte
Microsoft Windows XP Service pack 3 e superiores Parcial
Microsoft Windows Vista, 7, 8, 8.1 e 10 OK
Apple Mac OS 10.6.7 e superiores OK
Linux 2.6 OK
Android 4.2 Parcial
Apple iOS 4.1 OK
Windows Mobile 6.5 Parcial
Microsoft Phone 8 OK

Maiores informaçoes em: http://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_IPv6_support_in_operating_systems

Características técnicas da rede UEPG em IPv6

A UEPG possui dois blocos IPv6: 2801:80:330::/48 e 2804:1f04::/32. O núcleo da rede possui suporte total ao IPv6 e utiliza o protocolo OSPFv3 para fazer a distribuição das rotas IPv6 dentro da rede da UEPG.

A rede possui suporte nativo ao IPv6, ou seja, sem o uso de túneis, e provê acesso IPv6 aos seus usuários na forma “dual-stack”. Uma implantação IPv6 em “dual-stack” significa que o IPv6 é adicionado a uma estrutura de rede IPv4 já existente e os usuários possuem suporte a ambos os protocolos.

Os usuários receberão os endereços IPv6 na forma stateless, através do mecanismo de autoconfiguração, com endereços IPv6 baseados no endereço MAC da placa de rede utilizando a função EUI-64.

A configuração dos servidores DNS em IPv6 é obtida pela forma stateful, através do protocolo DHCPv6. Se houver suporte do sistema operacional do usuário ao protocolo ND-RDNSS, os servidores DNS podem ser obtidos de forma stateless.

DNS

Os servidores DNS recursivos em IPv6 são:
2804:1f04:20::20
2804:1f04:30::30

NTP

Os servidores NTP da UEPG se mantém os mesmos, pois os servidores respondem tanto em IPv4 quanto em IPv6
ntp1.uepg.br
ntp2.uepg.br

Implantação do IPv6 na rede UEPG

Histórico

Os estudos do protocolo IPv6 na rede da UEPG foram iniciados em Março de 2010, quando uma rede IPv6 foi utilizada para testes pela equipe, onde foi realizado um nivelamento de conhecimentos sobre IPv6.

Em Novembro de 2011 a UEPG se tornou um Sistema Autônomo (AS) e assim passou a ter endereçamento IP próprio. Junto com a implantação do AS foi solicitado um bloco de endereços IPv6 e efetuada a conexão em IPv6. A implantação do protocolo IPv6 no núcleo da rede da UEPG foi concluída em Janeiro de 2012.

Em Maio de 2012 foi iniciada a operação de alguns serviços em IPv6, tais como os sites www.uepg.br, portal.uepg.br, correio.uepg.br e sistemas.uepg.br além do serviço de email da UEPG e outros serviços de intraestrutura de rede. No mesmo mês algumas redes tiveram o IPv6 ativado para testes.

Em Julho de 2012 foi ativado o IPv6 nas redes sem fio da UEPG.

Em 2013 foram realizadas diversas alterações na infraestrutura da rede, principalmente em equipamentos e upgrades de software além de habilitar o funcionamento do IPv6 na rede de gerenciamento.

Em Janeiro de 2014 foi solicitado novo bloco de endereços IPv6 para garantir o crescimento da rede e uma nova política de alocação de endereços IPv6 foi colocada em prática de forma a distribuir o endereçamento de uma forma mais adequada.

Em Maio de 2014 foi iniciado o plano de implantação do IPv6 na rede da UEPG visando habilitar 70% da rede no protocolo IPv6.

Em Setembro de 2014 foi criado o site IPv6 UEPG (http://rede.uepg.br/ipv6) e a implantação do protocolo foi intensificada para atingir o máximo de usuários e serviços da rede.

Em Dezembro de 2014, 70% da rede tinha o suporte ao protocolo IPv6, em Novembro de 2015 esse índice chegou a 85% e em Agosto de 2016 a implantação atingiu 95%.

Em Setembro de 2016 a rede da UEPG atingiu 96% de capacidade de atingir destinos em IPv6, segundo o APNIC (http://stats.labs.apnic.net/ipv6/BR).

Selo IPv6

Os sites da UEPG que possuírem o selo abaixo estão configurados para funcionar em IPv6.

Status

A tabela abaixo mostra a implantação do IPv6 nas redes da UEPG.

Rede % IPv6 % do total
Rede Acadêmica
100%
28,1%
Rede Administrativa
100%
24,3%
Wireless
100%
12,7%
Alocações para clientes internos
55%
11,9%
Infraestrutura/Backbone
85%
13,9%
Voz sobre IP e telefonia
50%
2,1%
Sites Externos [1]
20%
2,2%

[1] inclui todos locais exceto campus centro e campus uvaranas
OBS: O cálculo se refere a quantidade de redes e não ao tamanho (seja em IPv4 ou em número de portas) das mesmas.

Total da Implantação em IPv6 em 31/08/2016

28,1%
28,1%
24,3%
24,3%
12,7%
12,7%
11,9%
11,9%
13,9%
13,9%
2,10%
2,10%
2,2%
2,2%
95,2%

Como obter endereços IPv6 na UEPG?

O procedimento para obter uma alocação de endereços IPv6 é o mesmo para IPv4. É necessário enviar um e-mail para redes@uepg.br solicitando um bloco de endereços IP. Será enviado um formulário para preenchimento e será alocada uma VLAN, um bloco IPv4, um bloco IPv6 e configurado um conjunto de pontos de rede para utilização dos recursos solicitados.

Teste de conectividade em IPv6

Para testar sua conectividade em IPv6, utilize os endereços abaixo:

Para obter diversas informações sobre a sua conectividade em IPv6, acesse: http://test-ipv6.com/

Créditos

Idealizador e líder do projeto IPv6::UEPG
Luiz Gustavo Barros

Equipe Redes UEPG
Felipe Thiago Wozniak Silva
Jocimar Dezonet
Luiz Gustavo Barros
Rafael Afonso Mayer

Estagiários Redes UEPG (2014)
Guilherme Mendes do Prado
João Henrique Moretti Pellissari

Criação do site
Lucas Martins